Perigos Domésticos – Quedas

Quedas

Seguindo a nossa série de artigos sobre “perigos domésticos”, falaremos agora sobre quedas. Infelizmente é com certa frequência que chegam ao nosso conhecimento histórias de peludos que se machucaram seriamente, ou até de donos que perderam seus amados companheiros em função desses acidentes. Só quem já passou por um pesadelo desses pode dimensionar a dor dessas famílias, e por isso decidimos escrever esta série, para alertar e ajudar a prevenir esse tipo de tragédia.

Selecionamos os principais acidentes domésticos observados ao longo dos anos de trabalho das nossas treinadoras da LordCão. São eles: choques (Edição #44), afogamento (Edição #45), quedas e envenenamento.

Em breve, teremos um LordCão News para o último perigo doméstico da série.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Brincar, correr, pular. Todas essas coisas fazem parte da rotina dos nossos peludos, principalmente quando filhotes. É só chegarmos em casa depois de um dia de trabalho para ouvirmos o som daquelas patinhas correndo escada abaixo, na maioria das vezes escorregando no chão, ansiosas para nos receber e fazer a maior festa. No quintal, sentimos o mesmo frio na barriga toda vez que nosso cãozinho passa, como um avião, na beirada daquela mureta que pode ser até baixinha, mas quando eles passam perto se torna o Grand Canyon aos nossos olhos. Sem falar de janelas e sacadas que são um prato cheio de aventuras para nossos exímios desbravadores caninos que estão sedentos para descobrir o mundo lá fora.

No momento em que trazemos um cão para casa, todos os riscos devem ser cuidadosamente identificados e as medidas de segurança devem ser tomadas. Não dispor móveis perto de janelas, tampar as sacadas muito abertas com tela, ensinar o cão a passar por escadas ou mezaninos de maneira segura, são alguns dos fatores que devemos levar em conta quando pensamos em prevenção. No entanto, muitas vezes os riscos de quedas são tão sutis que deixamos os pequenos cuidados de lado, e aí, meus amigos, as consequências podem ser fatais. É o caso de uma amiga que estava brincando com o seu Chihuahua no sofá, na brincadeira o cãozinho tropeçou, caiu e bateu a cabeça no chão. Infelizmente essa história acabou com um final muito triste.

E então, o que fazer para que nossa casa se torne um local seguro para nossos cães?

A seguir, citaremos os principais perigos de quedas e como preveni-los.

1• Quedas de escadas, mezaninos, corredores abertos, passarelas, etc.

Quando ainda filhotes, restrinja o acesso a essas áreas, até terem idade e tamanho suficiente para aprenderem a se movimentar com segurança. Se for possível, bloqueie as laterais abertas para o andar debaixo com tela, tábua, grade ou qualquer outro material que impossibilite uma queda. Uma vez que o caminho esteja seguro, é hora de ensiná-lo a passar por ali sem problemas.

Para isso, auxilie-o com uma guia, fazendo o trajeto junto dele algumas vezes por dia, até perceber que não existe mais perigo. Muitos filhotes ficam inseguros nessas áreas, é preciso paciência e calma para mostrar a eles que está tudo bem. Se ele ficar com medo, incentive-o colocando um petisco em cada degrau, e a cada passo dado, elogie-o com carinho. Sempre permaneça perto nessa fase de aprendizado, para dar uma mãozinha caso precise ou para acudi-lo caso ocorra um tropeço. Ainda assim, devemos ensinar que não é permitido brincar e correr nesses locais.

No caso de escadas que têm a lateral aberta ou espaços vazados entre os degraus, devemos redobrar os cuidados. Cães são animais curiosos e quando filhotes/adolescentes ainda não têm noção do perigo que os cercam, por isso se ele se interessar pelo que há depois do limite da lateral, deixe-o olhar, mas corrija-o se fizer alguma menção de pular ou dar um passo adia. Até ele aprender, só permita o acesso a essas áreas sob supervisão, para que consiga corrigi-lo sempre que preciso.

Outro aspecto importante é o piso, seja ele da escada ou mesmo das superfícies planas da casa. Pisos muito lisos podem causar escorregões e quedas que podem gerar lesões graves, principalmente nos grandões acima do peso. Nesse caso, vale revisar a decoração da casa optando por tapetes ou carpetes, principalmente nas escadas. Mas se essa não for uma opção, existe hoje no mercado pet uma cera antiderrapante, feita especialmente para que seu cão não escorregue, e o melhor, é que pode ser usada em vários tipos de pisos.

2• Janelas e Sacadas

Para aqueles peludos que adoram passar os dias nas janelas ou sacadas controlando o movimento dos carros e pessoas, todo cuidado é pouco! Vale a pena protegê-las com grades ou telas, pois nunca se sabe quando um tropeço pode ocorrer, ou quando ele vai resolver pegar aquele pombo que pousou logo ali. Vale lembrar que devemos ter cautela com os móveis que possam servir de “escada” para a janela. Nesse caso, afastar a mesa de jantar ou o sofá pode minimizar os riscos.

Por incrível que pareça, conhecemos dois casos de cães que pularam pela janela do apartamento atrás da bolinha, portanto, todo cuidado é pouco na hora de jogar bola dentro de casa. O melhor é fechar as janelas ou levar o cachorro para brincar lá fora.

3• Móveis

Prudência é a palavra-chave quando brincamos com nossos cães em cima de sofás, camas, etc. Saber dosar a empolgação é necessário para evitar qualquer tipo de susto. Muitas vezes o melhor a fazer é sentar no chão com seu cachorro e interagir com segurança.

No caso de cães com livre acesso à cama, sofá ou qualquer outro móvel, em especial os muito pequenos e/ou mais velhinhos, o ideal é comprar uma escadinha própria para cães, ou até mesmo um banquinho ou puff, e disponibilizá-los junto ao móvel. Mas vale ressaltar que devemos ensiná-los a utilizar esse degrau com segurança, do mesmo modo que ensinamos no primeiro tópico.

4• Muros

Para cães que pulam muros, além do perigo da queda em si, existem todas as consequências de uma fuga. Até exímios saltadores correm o risco de cair de mau jeito e se machucar.

Muitas vezes seu cachorro pode estar com muita energia acumulada e/ou entediado de passar o dia todo sozinho no quintal, por isso pula o muro da casa em busca de aventuras. Oferecer uma rotina diária de exercícios e brincadeiras, evita o acúmulo de energia e estreita os laços entre cão e dono.
Fora isso, você pode transformar seu quintal num local divertido, deixando para ele ossos de diferentes texturas para roer, bolas e brinquedos interessantes quando ele for ficar só. Geralmente essas medidas resolvem o problema, pois cansado e entretido, seu cachorrinho não terá tempo de pensar em outra coisa a não ser descansar e curtir seu quintal.

Porém, se o estímulo que o faz pular for muito forte, como correr atrás do gato do vizinho ou aquela cadelinha da esquina que está no cio, a única solução será aumentar o muro, pois esse impulsos são muito fortes nos cães e, infelizmente, nenhum ossinho evitará a fuga.

5• Piscina

Por último, mas não menos importante, temos as quedas em piscinas, que foram abordadas na edição anterior do LordCão News, onde tratamos de afogamento e explicamos todos os cuidados que devemos ter em se tratando de cachorro e piscina. Confira em nossa Edição #45

Após todo esse trabalho, e tendo certeza de que sua casa está segura, curta ao máximo a companhia de seu cão. Não há nada mais prazeroso do que ver nossos (eternos) bebês brincando felizes e cheios de energia. E o melhor de tudo, seguros!

por Flávia Lopes
Treinadora Especialista em Comportamento Canino
LordCão – Treinamento de Cães

Anúncios
Sem categoria