Homem que deu cachaça a bebê em Joinville já era conhecido por embebedar cães, gatos e pássaros

Institutos de combate ao crime alertam: psicopatas começam seus crimes com ataques a animais. A violência é a mesma, o que muda é a vítima!

Fatos

Esta semana dois fatos chamaram minha atenção: um evento em benefício de cães de rua que acontecerá amanhã em Canasvieiras e a notícia do tio que fez o sobrinho, de pouco mais de um ano de idade, beber cachaça, levando a criança a convulsionar. Mas o que fatos tão distintos têm em comum? À primeira vista, nada. Mas o depoimento da mãe do bebê dá uma pista. Na TV, ela acusava o irmão de já ser conhecido por forçar cães, gatos e pássaros a beber cachaça e estava revoltada que a próxima vítima fosse seu filho.

Tempo

É triste ver como a maioria das pessoas ainda não faz a conexão da violência praticada contra animais com a praticada contra pessoas. Para que a vítima passe do bicho para o ser humano bastam dois fatores, tempo e oportunidade. Se este criminoso, que agora quase matou uma criança, houvesse sido denunciado por maus-tratos a animais, um crime federal, e se no Brasil as leis fossem realmente cumpridas, provavelmente esta situação absurda não tivesse acontecido. Mas enquanto ele maltratava “apenas animais”, nada foi feito. Pensem em quantos delitos contra seres humanos seriam evitados caso os crimes contra animais fossem devidamente punidos…

Hipocrisia

O caso me fez lembrar de algo que aconteceu comigo durante a manifestação Crueldade Nunca Mais, realizada em janeiro último para chamar atenção sobre os bárbaros crimes praticados contra animais em todo o país. Ao entregar material educativo para um senhor, tive que ouvir que ele achava uma enorme hipocrisia defendermos os direitos dos animais. Bem, parece-me muito mais hipócrita esperar que alguma violência seja praticada contra um ser humano para só então punir o criminoso! Pobre de quem espera a desgraça bater à porta para só então considerá-la. Diminuição de crimes também passa por trabalho de prevenção e a punição de delitos “menores” faz parte dessa lógica.

O outro lado

Mas e o evento beneficente nisso tudo? Bem, sempre enche meu coração de alegria ver que pessoas comuns, não participantes de nenhum movimento de proteção animal, estão fazendo algo para melhorar a questão dos animais de rua. Elas estão na outra ponta do raciocínio, são pessoas que estão fazendo o bem para o próximo, seja ele quem for, inclusive “apenas” um cachorro. São cidadãos que, muitas vezes, estão fazendo o papel que caberia ao Estado, que estão colaborando para um município com menos animais de rua, o que implica em uma cidade mais limpa, justa, ética e saudável. Não esperam o pior acontecer, simplesmente agem e mudam para melhor o presente e o futuro de pessoas e animais.

Divulgação: ND Online

http://ndonline.com.br/florianopolis/colunas/mae-de-cachorro/25849-homem-que-deu-cachaca-a-bebe-em-joinville-ja-era-conhecido-por-embebedar-caes-gatos-e-passaros.html

Anúncios
Sem categoria