Controle População de animais de rua

Existem estudos em muitos países para tentar controlar população de animais de rua. Já se chegou à conclusão de que exterminar os animais não é eficiente para este fim. Os CCZs já exterminaram milhares de animais e ainda existem milhares de animais nas ruas. Conta a lenda que na Cidade do Rio de Janeiro foi feito um holocausto animal. Os animais eram jogados vivos no Forno de Cremação. A SUIPA adotava todos os animais para que não fossem exterminados de forma cruel.

A OMS (Organização Mundial de Saúde) também não indica a eutanásia para controle de animais de rua. Visto que não funcionou mesmo exterminando-se milhares de animais, as ruas foram repovoadas em pouco tempo. Ou seja, não é indicado para controle de zoonoses.

A população de uma colônia só aumenta por três fatores: natalidade, abandono e migração.
As melhores soluções para redução da população de rua são: Educação da pessoas e esterilização dos animais.
No Brasil, o extermínio de animais por CCZs é considerado crime ambiental (Lei 9.605/98) porque não existe comprovação técnica que o extermínio de animais é útil para o controle de zoonoses. Também comete crime ambiental pessoa física ou jurídica que “Praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos. A pena é aumentada de um sexto a um terço, se ocorre morte do animal.”

É considerado “maus-tratos” não alimentar. Se outra pessoa quer alimentar e alguém a impede incorre no mesmo crime.

Fontes:
RESUMO EXECUTIVO DO PROJETO REDE DE DEFESA E PROTEÇÃO ANIMAL DA CIDADE DE CURITIBA

Vida é vida. Seja humana ou não humana.
Covardia é covardia seja contra humanos ou não humanos.

Anúncios

Reveja seus atos, conheça melhor a vida de um protetor

O texto embora em alguns momentos é demonstrado de forma um tanto aborrecida pela protetora, até entendo o porque, rs, demonstra e escreve a nossa realidade…

Vale a pena ler e refletir.

bjs

Que sirva como reflexão e quem sabe mudar atitudes…

Vamos divulgar e informar os desinformados!

"Agora não tem como falar: Eu não sabia"
Desabafo da protetora Cristina Guerra Mendes de Almeida, do Clube da Mancha. Acho importante para repensarmos nossas atitudes frente aos animais "de rua", e a dificuldade que encontramos para efetivamente acolhe-los, propiciando a ele tratamento e finalmente um lar.

"Vamos todos juntos rever a causa ANIMAL ????"

Sabendo de tudo o que os jornais e a tv nos falam sobre maus tratos para com os animais acho que todos nós temos que repensar a causa animal e como vimos tratando durante todos estes anos os animais de rua e tudo a eles relacionado.Porque nós que estamos nesta luta há 15 anos sabemos que a cada dia tem mais gente , voluntários, veterinários, a TV , os jornais e revistas envolvidos com a causa animal e com toda a certeza acredito que os animais nunca sofreram tanto abandono e maus tratos como nos ultimos tempos. E cada vez mais a pergunta que fica no ar e porque tudo isto ? Eu não sei ! Só sei que nunca dá para fazer nada sozinho , o dia é curto , o trabalho é muito, não cabe a nós terminar a tarefa, mas nem por isso podemos desistir de começar .

Aproveito para transcrever uma carta que recebemos de uma protetora, e que espero nos ajude a repensar o que queremos para o bem dos animais.

Mitos e verdades que você precisa saber antes de pedir ajuda a um protetor: não existe ” Associação de Proteção Animal ” , ao menos não é da maneira que você pensa que seja, existem abrigo, sem exceção todos eles lotados, com animais presos em canis super lotados, onde muitas vezes a fome ronda a porta.

O governo não ajuda esses locais.

É com dinheiro como o SEU que esses locais são mantidos.

Se houvesse tal lugar , não haveriam bichos jogados na rua.

ALGUEM TERIA UM ESPACINHO ? EU DOU A RAÇÃO!!

Espacinho é a casa da protetora, ! Que tipo de casa você pensa que vive um protetor ? Diferente da sua ? O O cahorro faria sujeira e bagunça na sua casa ? Ele faz tb na da protetora! Seu marido não gosta ? O da protetora tb não ! E não é só de ração que vive um animal retirado da rua , eles precisam de remédios, de produtos de limpeza viverem num ambiente sadio, de banho, remédio para pulgas, vacinas, castração,de alguem que cuide deles de TEMPO E DE PACIENCIA ! será que protetor não tem problemas ???

SE FOR PEDIR AJUDA A UM PROTETOR , LEMBRE-SE QUE ELE ESTA AJUDANDO VOCÊ, VOCÊ QUE VIU O ANIMAL.

TODO O PROTETOR JÁ TEM DE 5 A 10 ANIMAIS NA SUA CASA SERÁ QUE É JUSTO PERSUADIR, INSISTIR, APELAR EMOCIONALMENTE PARA QUE ESSA PESSOA LEVE MAIS O ANIMAL QUE VOCÊ ACHOU PARA CASA?

Você pensa quem é que vai pagar a conta do veterinário ?

Se ainda sim pedir ajuda , lembre-se que aquele animal é sua responsabilidade enquanto ele viver e não só na primeira semana depois que foi retirado da rua.

Outras considerações :

O carro do protetor se suja tanto quanto o seu . Quem disse que protetor gosta de ter o carro sujo, rasgado e coberto de pelos ? Tb gasta combustivel, óleo , manutenção igual ao seu.

O protetor tb gosta de FÉRIAS ,FERIADOS, FINS de SEMANA E DESCANSO como você !

Se você não tem dinheiro, não tem carro, não pode dar ração,não tem um amigo, não pode levar para a sua casa, ou para a casa da sua tia , da sua mãe , de um amigo, não pode pagar um hotelzinho, não pode levar no seu carro, não pode ser voluntário, não pode pagar uma castração, não pode levar ao seu veterinário, se você NÃO PODE DOAR NADA DE VOCÊ em prol dos animais ,pare de apelar para o nosso emocional, para de empurrar novos casos de abandono.

TEM MILHARES DE ANIMAIS ABANDONADOS PELA CIDADE, NÃO PODEMOS SALVAR TODOS. NÃO REPASSE MAIS UM PROBLEMA, Nos conhecemos quem quer ajuda e nos ajudamos, a gente fica mal, perde o sono , se deprime , assim não peça mais !

Se depois de ler tudo que escrevi ainda assim você não poder fazer nada por esse bicho que te encontrou pelo menos pense que poderia ser o seu animal de estimação , e que você gostaria que alguem como você fizesse tudo por ELE.

CCZ de Porto Velho (RO) cria cartilha para combater abandono de animais

15 de fevereiro de 2012 às 9:33

O Centro de Controle Zoonoses (CCZ), da secretaria municipal de Saúde (Semusa), criou uma cartilha de guarda responsável de animais domésticos. O material educativo foi criado por causa do grande número de animais, que são abandonados nas ruas de Porto Velho.

A cartilha contém orientações de cuidados, adoção, castração e vacinação de cães e gatos. Segundo o diretor do departamento do controle de zoonoses, Rodrigo Golin, a cada 10 cães capturados na rua, seis possuem coleira. “Isso prova o total descaso com os animais.

As pessoas têm que entender que eles são seres vivos e precisam de cuidados”, disse. Em 2011, mais de dois mil animais, entre cães e gatos foram capturados e removidos pelo CCZ. Golin informa ainda, que só em janeiro, o número chegou a 300 capturas. “A maioria dos bichos que chegam aqui, estão muito doentes e em muitos casos, eles não resistem pela falta de cuidados”, lamentou.

Todos os animais resgatados em vias públicas permanecem por cinco dias nos canis do CCZ. Se o tutor o quiser de volta terá que pagar uma taxa de R$ 52, prevista em lei municipal. Caso não apareça, os animais são encaminhados para adoção. Maltratar e abandonar animais é considerado crime, pela Lei de Crimes Ambientais (Lei 9605/98). O tutor pode receber multa e detenção de três meses a um ano, dependendo da gravidade do problema causado pelo abandono.

Castração

Desde junho do ano passado, o Centro de Controle de Zoonoses realiza o serviço de castração. Até hoje mais de 368 animais, entre cães e gatos, machos e fêmeas foram esterilizados. Este procedimento é feito para ajudar a diminuir a procriação desordenada e conseqüentemente, a superlotação de animais nas ruas. “Depois que iniciamos este processo de castração, dobrou o número de adoções aqui no centro, pois hoje as pessoas estão mais interessadas em animais que não dão mais cria”, afirmou Rodrigo Golin.

Vacinação
No dia 24 de março acontecerá a campanha anti-rábica em todos os bairros da capital. Além disso, a campanha também será feita na zona rural com o objetivo de a raiva canina e felina.

Fonte: Rondônia Dinâmica