LINDO… LEIA E DIVULGUE: ADOTE UM ANIMAL ESPECIAL!

adote%2Bum%2Banimal%2Bespecial.jpg

Anúncios

AÇÂO ONLINE: Os cães necessitam de sua proteção: participe da nova campanha!

spacer.gif

Coleiras Vermelhas Show your support
Os cães necessitam de sua proteção.
Junte-se agora a passeata virtual!
Vinte milhões de cães são brutalmente mortos a cada ano; ou seja, 38 cães a cada minuto.

Um dos principais motivos para essa crueldade é o medo da Raiva. Só que matar cães não ajuda a conter a doença.

Cães são envenenados, espancados, intoxicados por gás e eletrocutados. Cada animal sofre intensamente e, talvez, a pior tragédia é que sua morte não irá prevenir a doença.

Está comprovado, inclusive através dos trabalhos em campo da WSPA, que apenas a vacinação em massa pode ajudar a proteger os cães e as pessoas contra a Raiva no longo prazo.

Precisamos urgentemente proteger estes cães, convencendo o mundo de, ao invés da crueldade, optar pelas Coleiras Vermelhas, o nosso símbolo de vacinação, proteção e esperança.


Apoie a nossa campanha na luta contra a Raiva. Junte-se agora à passeata virtual!

assinatura-rosangela
Compartilhe: Facebook ShareThisTwitter
World Society for the Protection of Animals

spacer.gif

open.aspx?ffcb10-fe6815737060017d7616-fdf111757161037571127174-fef71c707d6c04

Convívio com mascote traz benefícios à saúde, diz estudo

petrede filhote Convívio com mascote traz benefícios à saúde, diz estudo

Os benefícios da presença de um animal de estimação em casa vão além dos aspectos afetivos. Ao contrário do que muitos pensam, a convivência com um cão ou gato pode auxiliar na prevenção e tratamento de algumas doenças, de acordo com um estudo encomendado pela Comac (Comissão de Animais de Companhia), feito por um grupo de pesquisa do Departamento de Psicologia Experimental da USP (Universidade de São Paulo).

De acordo com o professor César Ades, que liderou o levantamento, a presença de um animal pode ajudar na melhora da imunidade de crianças e adultos, redução dos níveis de estresse e da incidência de doenças comuns, como dor de cabeça ou resfriado. “Além disso, existem os benefícios na área afetiva, pois relação entre uma pessoa e um cão se enquadra nas características do relacionamento humano, marcado por regras de interação, pela troca de afeto, pelo apego. É uma terapia”, explica o professor.

O estudo ainda destaca que os animais estimulam as pessoas a praticar exercícios, podem ajudar a aliviar o estresse e ainda no controle da hipertensão arterial. “O efeito positivo da presença do cão depende, é claro, das características do dono ou da família com a qual ele poderá viver”, conclui Ades.

Fonte: Diário do Grande ABC

Cinco motivos para adotar um animal

pamperedpuppy20081201 Cinco motivos para adotar um animal

Ilustração/Divulgação

1. Não apenas cães e gatos provocam sensações positivas. Observar um peixe em um aquário pode ter efeitos semelhantes aos da hipnose, reduzindo a ansiedade em pacientes à espera de uma cirurgia, por exemplo. E melhor: aquários são obras vivas de decoração.

2. Tanto para adultos quanto para crianças, interagir com animais diminui a pressão arterial. “Essa relação acalma e também mobiliza a sair da inércia”, diz a psicóloga Denise Gimenez Ramos. Umestudo publicado no British Journal da Royal Society of Medicine sustenta que quem tem um bicho em casa reclama menos de pequenos problemas de saúde, por isso, é mais feliz.

3. Animais em geral também são bons aliados de adultos e crianças mais inibidos. “Para idosos, podem até ajudá-los a sair da depressão”, afirma Denise Gimenez Ramos. Com o peso desse argumento, recentemente, nos Estados Unidos, cães passaram a ser adotados em visitas hospitalares, com resultados visíveis na recuperação de pacientes.

4. Para a ciência, animais se integram tão facilmente em nossa vida porque possuem estruturas anatômicas idênticas às nossas. “Eles têm sensações, são inteligentes, têm memória e uma profunda sensibilidade de convívio com outras espécies e como ser humano”, analisa a médica veterináriaIrvênia Prada.

5. Uma tese um pouco mais audaciosa sustenta até uma certa telepatia entre homens e animais. “O biólogo inglês Rupert Sheldrake, autor de Cães sabem quando seus donos estão chegando, diz que os cachorros se comunicam telepaticamente com os cuidadores humanos”, cita Irvênia Prada. Basta olhar fundo nos olhos deles para sentir essa interação mágica.

Fonte: Revista Casa e Jardi
m

Qual bicho de estimação é mais caro manter, gato ou cachorro?

caes gatos gastrite Qual bicho de estimação é mais caro manter, gato ou cachorro?

No que diz respeito às despesas fixas básicas para cuidar bem de um mascote, é mais dispendiosoter um cachorro do que um gato.

Os gastos mensais aproximados são os seguintes:

Cachorro

– Ração: de R$ 40 a R$ 70
– Biscoito: R$ 40
– Banho e tosa: R$ 150

– Tapete higiênico: entre R$ 80 e R$ 120
– Consulta veterinária*: de R$ 6 a R$ 17
– Tratamento periodontal**: de R$ 33 a R$ 84
Total: de R$ 316 a R$ 397, subindo para até R$ 481 na velhice do cão

Gato

– Rração: de R$ 32 a R$ 68
– Patê: R$ 30
– Biscoito: R$ 15
– Areia higiênica: de R$ 30 a R$ 80
– Consulta veterinária: de R$ 6 a R$ 17
– Tratamento periodontal**: de R$ 33 a R$ 84
Total: de R$ 113 a R$ 210, podendo chegar a R$ 294 na velhice do felino

*preço de uma ocorrência anual dividido pelos doze meses

**só quando o bichinho fica mais velho
Todos os valores foram pesquisados em pet shops da capital paulista

“O volume de despesas é maior para o cachorro, mas o proprietário do gato investe mais no seu bichinho. Compra o arranhador mais caro, enche a casa de acessórios”, nota Carla Alice Berl, veterinária e diretora do hospital e loja Pet Care, de São Paulo.

“Alguns supérfluos realmente podem ser eliminados. Brinquedos, por exemplo. Para se divertir, o felino gosta mesmo de uma bolinha de papel e de um cadarço de tênis. É suficiente”, defende Glória Linares, dona de onze animais e vice-presidente da Amacoon (associação que reúne os criadores profissionais de gatos da raça Maine Coonm no Brasil).

Mas com determinados itens não dá para economizar, nem os donos de cães nem os apreciadores dos felinos.

Alimentação, por exemplo. “As rações para gatos ruins contêm carboidrato demais, o que leva os felinos a desenvolverem diabetes. Para os cães, as conseqüências são obesidade e excesso de fezes”, explica Carla.

Deixar de visitar o médico quando o animal apresenta algum sintoma pode fazer com que um problema simples vire crônico, inclusive diminuindo o tempo de vida do mascote. “Os cuidados preventivos são essenciais”, frisa a veterinária.

A areia sanitária e o tapetinho que os bichos usam para fazer as suas necessidades dentro de casa também precisa ser de boa qualidade, do contrário serão ineficientes.

Ter um plano de saúde para os animais ajuda a manter esse tipo de gasto sob controle. “E eu faço uma poupança destinada a cobrir despesas emergenciais. Deposito um pouco a cada mês por gato –quando acontece uma emergência, essa reserva se esgota num instante”, ensina Glória.

Fonte: Olhar Direto

A saúde da boca

Pagina08%20foto12%2029-09-2011.jpg

Cães e gatos não estão livres de problemas dentários, que devem ser tratados pelo especialista. / Divulgação

Os animais não estão livres de problemas bucais e também podem precisar de uma consulta com o dentista. Mau hálito, gengiva avermelhada e dentes amarelados são sinais de problema e não devem ser ignorados. O tártaro é um dos sintomas mais frequentes e que precisa ser tratado precocemente, o que permite evitar que o quadro se agrave.

Comumente conhecida como tártaro, a placa bacteriana nada mais é do que a reunião de milhares de espécies de bactérias que se organizam formando camadas sobre a superfície dos dentes. Maurício Londres Mossé é especialista em odontologia veterinária e alerta para rapidez do processo: “As bactérias levam em torno de 24h para começar a se organizar e em uma semana já aparecem os sintomas da doença periodontal”, afirma.

A infecção causada pelo tártaro atinge o periodonto, que são as estruturas que sustentam os dentes. A gengivite é reconhecida como a primeira fase da doença, que se não for tratada resultará em uma periodontite. “A gengivite consiste na inflamação da gengiva, que pode ser eliminada com a remoção da placa bacteriana. Até este ponto o problema é reversível, porém, quando há evolução já não acontece o mesmo. No caso da periodontite há perda óssea, mas, ainda assim, o processo pode ser interrompido e estabilizado com cuidados específicos”, explica o especialista.

Além da perda dos dentes, os animais podem ter outros órgãos atingidos pela infecção. Isso acontece quando as bactérias migram da boca para outros locais do corpo através de tecidos inflamados. Os órgãos mais facilmente atingidos são o coração, os rins, o fígado e as meninges.

A prevenção é o melhor caminho. Maurício afirma que o ideal seria que os proprietários escovassem diariamente os dentes de seus cães e gatos. Entretanto, a limpeza feita no mínimo três vezes na semana já ajuda a desorganizar a placa bacteriana, evitando a formação do tártaro. Se o animal não permite a escovação, o dono precisa fazer visitas semestrais ao dentista veterinário. Maurício também recomenda a oferta de ossos de corino, os branquinhos encontrados em lojas de pet shop.

Em casos avançados, a cirurgia é inevitável e deve ser feita por um especialista. Isso porque, só o dentista veterinário é capaz de realizar o procedimento de maneira adequada e completa. Segundo Maurício, o processo cirúrgico pode levar de três a quatro horas com anestesia geral inalatória, que oferece mais segurança. Ele lembra que, mesmo após o tratamento realizado no consultório, é essencial que o proprietário dê continuidade fazendo a limpeza básica em casa. Outra boa lembrança é a de que, quanto mais cedo o problema for solucionado, menos a saúde do animal e o bolso do dono serão prejudicados.

FERNANDA SOARES
Redação Tribuna