RJ Resgate das cadelinhas de são gonçalo – preciso de lar temporário por 1 mês

Resgate de Madona e Pretinha, água mole em pedra dura…

terça-feira, 13 setembro, 2011 Fabiano Jacob No comments
capa Então pessoal,

Vou usar esse post – inclusive – para também justificar as razões pelas quais tenho me dedicado a causas um pouco mais complexas que resgates de cães. Não que eles não seja importantes, cada vida é importante e de valor inestimável, espero que vocês entendam…
O fato é que, desde o mês de Maio, tenho recebido algumas ameaças anônimas bem francas – como já as recebi num passado- e por conta disso, tenho que resguardar a minha integridade física (na medida do possível).
Para quem não sabe, num passado, sofri 2 tentativas de atentado. Uma com 3 homens armados e encapuzados que seguiram meu carro e que, graças ao bom motorista que eu tinha, não conseguiram nos alcançar, tendo eu que me resguardar na delegacia policial da área e ser escoltado até a porta de minha casa por uma guarnição da PM…
Então, não por medo (nem por me achar indistrutível ou à prova de balas) mas pelo bem de minha família, tenho meio que me tornado refém do meu próprio lar. Graças a bons amigos, cultivados ao longo dos anos, e a ajuda de meu IRMÃO, Cel. PMERJ Delvo Nicodemos, quando o assunto é sério, ou é inevitável a minha saída de casa, tenho podido contar com escolta pessoal, a qual agradeço publicamente a meu ANJO DA GUARDA (e sombra), sub-tenente Jorge Igayara, um especial amigo e que sem dúvida daria sua vida por mim e minha família… poucos seriam realmente capazes disso.
Não tenho divulgado esses fatos por razões óbvias. Primeiro porque essa foi a vida que escolhi para mim, e nunca fui de correr de minhas escolhas pessoais (e quem me conhece bem sabe disso), depois porque não queria ser visto como vítima, ou como alguém que se utiliza de uma situação de forma “eleitoreira”. Mas agora, que a situação já se configurou mesmo, não adianta ficar querendo esconder.
Por essas razões, tenho podido atuar bem menos do que eu gostaria nos casos de maus tratos a “indivíduos” em particular…mas existem casos onde invariávelmente eu não poderia deixar de dar tudo de mim. E esse foi um desses casos:
Fui procurado pela Amiga e Protetora Ana Paula Lacerda que, já bastante desgastada, tentava resgatar o que inicialmente seriam 3 cães que viviam em situação DEPLORÁVEL em São Gonçalo. O “proprietário” se tratava de um daqueles “machões” que não entregam os animais, apesar de se encontrarem famintos, mautratados e doentes. Já se passavam mais de 1 ano nas tentativas de resgatar esses animais, inclusive tendo um deles morrido por negligência desse crápula nesse período.
Quando a Ana me procurou, prometi a mim mesmo que esse (e mais um caso em particular dela) seriam questões prioritárias… e mantive imediatamente contato com nosso conhecido, o Comandante do 7º BPM, Coreonel Beltrame que imediatamente se colocou à disposição para nos auxiliar nesse resgate.
O Comandante Beltrame assumiu o BPM recentemente, depois do triste incidente da Juíza Patrícia Acioli, e tem feito um trabalho excepcional para trazer novamente a confiança da população daquela cidade para com a Polícia Militar. É triste ver que alguns poucos indivíduos tentam macular uma corporação e particularmente um Batalhão que, inclusive, desenvolve um trabalho maravilhoso de cinoterapia em São Gonçalo.
Partimos eu e o sub Igayara para nos encontrar com o Comandante e aguardar a Ana Paula no BPM… Depois de alguns erros e de ter se perdido umas 100 vezes, a Ana chegou, e finalmente pudemos discutir os detalhes de nosso trabalho.
Ana Paula e Cláudia, as "ANJAS DA GUARDA" dessas cadelinhas, que batalharam ao longo de 1 ano para retirá-las da triste situação.

Ao contrário da maioria das vezes em que realizo o salvamento de animais em situação de maus tratos, nessa ação, resolvi que, caso o mautratante fosse solicito ao entregar os animais, não procedríamos a DP para registro de ocorrência…explico:
Salvo casos particularmente atípicos, juízes de JECRIM (juizado Especial Criminal) costumam “apenar” os maltratantes no pagamento de 1 cesta básica e, sequer esses criminosos perdem sua condição de primários. Então, no caso de querermos proceder a Delegacia Policial, uma série de burocracias seriam necessárias, tais como laudos veterinários, perícia de local, horas sem conta na Delegacia e, posteriormente ida ao JECRIM de São Gonçalo, apenas para ver o maltratante saír praticamente ileso do caso. Então, como o caso era URGENTE e já se estendia por um longo período, fui determinado a retirar os animais de lá, no que chamamos na gíria de “NO AMOR”… Claro que se “NO AMOR” não fosse possível, teríamos que cumprir todas as etapas pertinentes mencionadas anteriormente. É por essas e outras que a LEI PRECISA MUDAR! Mas disso, já estamos carecas de saber.
Partimos na viatura Policial eu, Igayara e 2 cabos da PM, que nos acompanharam à pedido do Comandante (a quem gostaria muito de publicamente agradecer) e as Protetoras Ana Paula e Cláudia em seu veículo.
Por não existir a necessidade de expor as meninas a situações complicadas e a acabrem como eu (o que não desejo a ninguém), solicitei que elas parassem seu veículo longe da residência do mautratante… Descemos da viatura e imediatamente fomos recebidos pelo “proprietário”. Informei ao mesmo que existiriam denúncias de maus tratos a animais em sua residência, solicitiei franqueamento ao endereço, o qual recebi imediatamente…
Adentramos um cenário que, nem pelas fotos abaixo os leitores do ATITUDE ANIMAL poderão mensurar…(enviarei mais fotos quando receber da Ana Paula)
Local onde "abrigavam" os animais

Aqui era uma das "casinhas"

Muita sujeira, focos de parasitas, água lamacenta dada aos animais e pedaços podres de “BOFE”, que eram a única comida das 2 cadelinhas.
A Madona e a Pretinha estavam apavoradas, encolhidas em seus cantos, num calor infernal e presas em coleiras curtas, que mal permitiam que deitassem confortavelmente… Aquilo me revoltou imediatamente!
Chamei o mautratante e reproduzo (para que não restem dúvidas) meu discurso “carinhoso” ao mesmo:
-”Senhor, o Sr. é um criminoso, de acordo com a Lei 9605/98, artigo 32, que é a lei de crimes ambientais. Vou lhe dar 2 opções e a escolha de seu futuro será absolutamente sua:
Madona. Apesar de "aparentemente" gordinha, apresentava infestação de pragas, assim como sinais de desidratação. A única comida que lhe era dada eram pedaços de BUCHO, que de tão podre estavam espalhados perto dela sem ser comido.

1- O Sr. pode nos franquear os animais imediatamente, em vista de encontrarem-se sem condições de permanência nesse local. Nos vamos dar uma vida dígna aos mesmos e, como o Sr. demonstra não ter condições nem de sua própria subsistência, que dirá desses animais.
2- O Sr. pode e tem o direito de não entregar esses animais de forma solidária, então, os policiais, no cumprimento do dever, solicitarão que os acompanhe até a delegacia, onde será registrado o crime ambiental e o Sr. terá de responder perante a Lei pelo crime cometido.
Agora, a escolha é sua!”
Depois desse papo carinhoso, imediatamente ele entregou os animais, sem qualquer reclamação. Ainda tive mais uma conversinha ao “pé do ouvido” com ele. Informei-lhe de que, da mesma forma que recebemos as denúncias nessa ocasião, poderíamos recebê-las novamente, e nesses caso, ele não gostaria de me receber novamente em sua residência, pois eu não seria TÃO COMPREENSIVO como estava sendo dessa vez.
Então, apenas 5 minutos depois de nosso primeiro contato, já estávamos colocando as 2 cadelinhas no carro da Ana Paula (foi bem engraçado ver a cara dela de quem não acreditava naquilo, afinal já se iam mais de 1 ano de tentativas sem sucesso). E afirmo a vocês que foi mais uma situação triste e feliz ao mesmo tempo. Triste por ver as condições desses seres inocentes, que sequer sabiam andar na rua, visto que NUNCA eram soltas daquele “cativeiro”…feliz por ver o desespero das mesmas em ver a rua, em estarem com a corrente larga e por poderem tomar contato com o mundo.
Partimos para o batalhão, onde demos água e um potão de ração…que a MADONA devorou, como se nunca tivesse visto

Pretinha. Apavorada, não parava de tremer enquanto estava na sua "casinha" (uma porta jogada no quintal. Infestada de carrapatos e com sinais de maus tratos e má nutrição.

comida na vida!

Tendo cumprido essa etapa do trabalho, aprveitei para uma visita ao canil do 7° BPM e para complementar a matéria feita anteriormente sobre o trabalho de cinoterapia, trazendo para vocês fotos dos cães que executam esse maravilhoso trabalho… publico no tópico próprio e reativo ele
como novo.

Tudo correu bem, a torcida era grande e, algo que parecia muito difícil, acabou muito mais fácil que esperávamos!
Precisamos agora da ajuda de todos para as despesas com a Madona e a Pretinha que, depois de tratadas (estavam em más condições, infestadas de pragas e sabe-se lá com o que mais) serão castradas e finalmente terão um LAR DIGNO.
Quem quiser ajudar, estarei publicando mais tarde os contatos e conta corrente para os Padrinhos e Madrinhas das duas cadelinhas de São Gonçalo. Quem quiser ir adiantando, pode incluir a Ana Paula no Facebook;
http://www.facebook.com/aplacerda

Agora, existe ainda uma grande prioridade da Ana Paula, que esperamos resolver e contar para vocês na semana que vem.
Até lá!

Anúncios
Sem categoria

Um comentário sobre “RJ Resgate das cadelinhas de são gonçalo – preciso de lar temporário por 1 mês

Os comentários estão desativados.