PINTURAS CÃO MEADOS DO SÉCULO MODERNO POR LINDA TILLMAN

Por Capree Kimball em 27 junho de 2014 12:00

RETRO_MID-CENTURY_PAINTING_DOGS_01-500x315.jpg

Pinturas em estilo retro inspirados em meados do século casas modernas e configurações apresentando, o que mais, os cães!

Divertimento – Avise que não é para passar &

hahahaahahahfofura!

Avise a empregada que não é para passar, ok?

CÃES QUE REPRESENTAM SEUS PAÍSES

Para a turma que está animada com a copa=)

Fila brasileiro – Brasil

r01

Galgo espanhol – Espanha

02

Pastor Branco – Suíça

03

Cane Corso – Itália

04

Cão de Água – Portugal

05

Pastor Alemão – Alemanha

06

Kooikerhondje – Holanda

07

Akita – Japão

08

Staffordshire Terrier – EUA

09

Pastor Belga – Bélgica

10

Kelpie – Austrália

11

Buldogue Argentino – Argentina

12

Huski Siberiano – Rússia

13

Chihuahua – México

14

Dálmata – Croácia

15

Buldogue Francês – França

16

Buldogue Inglês – Inglaterra

17

Aprenda como fazer caminha, capa e colchão para cães

Bora aquecer os peludos do frio???
Idéias sensacionais do Dica para gateiros!

Homeopatas

Posted: 08 Apr 2014 10:54 AM PDT Como podemos ajudar os animais que passam por esta doença?

Existem formas de minimizar a dor, o sofrimento, os efeitos colaterais da medicina tradicional?
Há esperanças? O que se pode esperar?
Que possibilidades de tratamento e abordagens a Medicina Alternativa Complementar nos possibilita? Que terapêuticas são estas?
Estas são perguntas que nos fazemos no dia-a-dia da clínica, quando nos deparamos com pacientes com diagnóstico de câncer e daí o cuidador nos pergunta: DOUTORA, E AGORA?

Como o assunto é muito extenso, faremos uma série de postagens menores, sequenciais, para que a leitura não se torne muito cansativa.
É importante que entendam que o intuito destes textos não é o de fornecer fórmulas mágicas, mas sim mostrar que existem possibilidades de tratamentos alternativos, com pesquisas científicas no mundo todo que buscam melhorar a qualidade de vida dos pacientes de câncer humanos e não humanos, seus tratamentos, seus prognósticos, o entendimento da doença e do doente de câncer. É importante estimular a pesquisa, a busca, as opções e entender que não é a Eutanásia o melhor tratamento de câncer em medicina veterinária como acreditam muitos profissionais e cuidadores. Corra atrás de soluções, converse, questione.

O que vem a ser o famigerado "Câncer":

Célula Cancerígena em Reprodução

O nome CÂNCER é um termo derivado da palavra grega para carangueijo, KARKINOS. Também chamado de NEOPLASMA ou NEOPLASIA, caracteriza-se pelo crescimento novo, progressivo e descontrolado de células originárias de tecidos normais, que não respondem aos fatores normais de regulação de crescimento e organização celular, tornando-se um tecido autônomo e desgovernado. É o caos celular e tecidual. As células cancerosas perdem progressivamente as características e funções diferenciadas do tecido original. Células que antes secretavam alguma substância, já não o fazem mais. Outras que eram responsáveis por absorver ou transportar ou mesmo dar estrutura de sustentação ao órgão ou tecido, já não são mais capazes de atuar organizadamente. Há um favorecimento da MULTIPLICAÇÃO CELULAR DESORDENADA em detrimento da especialização da célula afetada. Alguns tumores podem preservar alguma função e alguns aspectos morfológicos (forma/estrutura) do tecido original, mas são poucos. Da mesma forma, o crescimento rápido não é característica de todos os tumores , sendo que alguns tipos apresentam crescimento indolente, lento.
A classificação dos tumores em malignos ou benignos está relacionada com a semelhança das células tumorais com as células do tecido de origem. Tais características são avaliadas em exames citológicos e histológicos (imprinting, biópsia). Células de tumores malignos apresentam maior anaplasia (indiferenciação), são mais invasivas, tem a capacidade de fazer metástase (transferir-se para outros tecidos através do sangue e da linfa) e também uma grande atividade mitótica.Fibromas, lipomas e adenomas são benignos; sarcomas e carcinomas são malignos. As neoplasias malignas podem matar o doente exercendo pressão nos tecidos vizinhos normais, causando dor, interrupção da irrigação vascular, bloqueio dos vasos linfáticos e diminuição de função do órgãos devida a esta pressão. Obstruções do trato urinário e biliar são causas comuns de óbito. Os efeitos sistêmicos das neoplasias estão associados à anorexia, perda de peso e caquexia, anemia, tromboses, hemorragias, coagulação intravascular disseminada (CID), diarréias prolongadas, desidratação, febre, ascite, etc.

COMO A HOMEOPATIA ENCARA O FAMIGERADO "CÂNCER" ?

Para a homeopatia, qualquer enfermidade é um comportamento biológico no qual há uma alteração vibratória da força vital e uma perturbação dinâmica do indivíduo como um todo e no câncer não é diferente. A enfermidade não é identificada pela lesão que causa no tecido ou pela doença em si. O diagnóstico da doença somente nos permite ter uma idéia da fisiopatologia da doença e não do doente como um todo.
Para o homeopata, a anamnese, ou seja, as perguntas dirigidas ao paciente (no caso da veterinária, dirigidas ao cuidador, com respeito ao seu animal), são de extrema importância. A história de vida do indivíduo, desde sua infância e se possível de seus antepassados, o seu temperamento e alterações dele no decorrer de sua vida, sua alimentação, como vive, aonde vive, com quem vive, suas relações sociais intra e extra específicas (com indivíduos da mesma espécie ou espécies diferentes), suas doenças anteriores, cios, gravidez, aleitamentos, seus receios, medos, comportamentos diante de circunstâncias diversas e adversas, acontecimentos que possam ter desencadeado a doença atual ou doenças anteriores, as condições que agravam ou melhoram o seu quadro clínico ou o seu ânimo, enfim, tudo o que se possa apreender do sujeito em questão, fazem parte do entendimento do seu processo de adoecimento e são utilizadas na confecção do diagnóstico, prognóstico e tratamento homeopático, juntamente com os sintomas clínicos apresentados pelo DOENTE, exames laboratorias e exames diagnósticos. Não é apenas a lesão, o órgão ou sistema afetado que nos preocupa, mas o conjunto, a totalidade e a SINGULARIDADE de cada DOENTE.
Desta forma, fica mais fácil entender porque 2 cães com o mesmo tipo e localização de câncer são tratados com medicamentos absolutamente diferentes. Não tratamos DOENÇAS e sim DOENTES! Não existem receitas prontas para esta ou aquela doença. A isto chamamos, em homeopatia, de INDIVIDUALIZAÇÃO e é só individualizando que conseguimos chegar ao medicamento mais próximo da SIMILITUDE ou SEMELHANÇA do nosso paciente.
Segundo a visão de um grande médico homeopata argentino, Tomas Pablo Paschero, quanto mais o indivíduo vive e sofre as ameaças imaginárias ou não do mundo à sua integridade pessoal e se esconde por trás da couraça defensiva de sua auto limitação, mais doente está e encaminha-se até a auto destruição, sendo o câncer uma de suas conseqüências mais avassaladoras. Falar em “ameaças imaginárias” pode parecer uma elocubração, fantasia ou viagem de homeopatas quando tratamos de medicina veterinária mas não é e vou explicar porque: os conflitos que criamos nos nossos animais de estimação quando simplesmente os afastamos da sua vida natural para a espécie, qualquer que seja ela, não podem ser resolvidos ou assimilados com facilidade pelos nossos companheiros de 4, 2 ou nenhuma pata. Confinar um animal seja em um canil, um aquário, uma gaiola ou em um apartamento, afastá-lo do contato com outros da sua espécie, tratá-los como crianças ou qualquer coisa que não seja exatamente o que e como ele é, alterar-lhes a hierarquia ou a estrutura social própria de cada espécie, modificar a sua alimentação com produtos industrializados, enchê-los de medicações na maioria das vezes desnecessárias e excessivas, banhos, perfumes, deixá-los sozinhos por longos períodos, aposentá-los nas suas atividades próprias da espécie como caça, trabalho, brincadeiras e etc., são alguns dos fatores conflitantes que ao não serem passíveis de resolução pelo indivíduo, predispõe estas criaturas ao adoecimento. A abordagem comportamental e holística, o bem-estar próprio àquela espécie, que leva em conta o manejo na tentativa de resolver os conflitos criados pelos humanos, mesmo que não intencionalmente, favorece a cura do indivíduo como um todo e também a abordagem profilática/preventiva, evitando o surgimento de muitas desordens mentais e orgânicas.

Interagir com outros da mesma espécie é importantíssimo no bem estar de qualquer ser.

Um exemplo disto seria quando um organismo produz expressões externas, como erupções, verrugas, dermatites, secreções, coceiras, etc., está desta forma tentando eliminar de si o que é necessário ao seu reequilíbrio interno. Se estas formas de eliminação são suprimidas e/ou abafadas, através de medicamentos (antibióticos, antifúngicos e corticóides), pomadas e unguentos ou procedimentos cirúrgicos, outras saídas devem ser criadas para diminuir a pressão interna e esta força de eliminação com todo o seu vigor e poder, seguirá outros caminhos, por outros pontos do organismo, através de linhas hereditárias e predisposições individuais. Desenvolvem-se assim novos fenômenos clínicos e psíquicos, com nova sintomatologia e quanto maior for a SUPRESSÃO dos sintomas, maiores e mais profundas serão as novas manifestações, podendo determinar uma tendência proliferativa ou destrutiva das células. Esta compulsão de eliminação, pode determinar o surgimento do câncer, dentre outras enfermidades.

Segundo Hahnemann, médico alemão idealizador da homeopatia, o médico deve perceber o que deve ser curado em cada caso individualmente, isto é, o que é curável nas doenças e compreender o que é curativo em cada medicamento para adequá-lo ao que há de patologia no doente. Muitas vezes, quando o paciente com câncer chega aos nossos consultórios, já apresenta quadros avançados da doença e estão próximos a incurabilidade, pelos transtornos crônicos em decorrência da doença longa. Se a energia vital do indivíduo apresenta-se debilitada, sem condições de reação através da medicação homeopática, a cura não será possível. Independente das possibilidades de cura, podemos proporcionar qualidade de vida e de morte ao indivíduo que sofre de câncer, dando-lhe uma sobrevida sem efeitos colaterais decorrentes de terapias convencionais, controle da dor e bem estar até os últimos momentos. O preconceito e o receio quanto ao uso da homeopatia no tratamento do câncer estão, ao meu ver, relacionados a ausência de padronização dos tratamentos. Devido a interferência de fatores individuais, a escolha do(s) medicamento(s) em cada caso, vai depender da dinâmica de cada paciente (como descrito acima), das características especiais de cada tipo de câncer (proliferativo, ulserativo, destrutivo, etc), da localização, malignidade ou não, em resumo, da DINÂMICA DE CADA PACIENTE.
O tratamento homeopático do câncer visa a estimulação do sistema imune do doente e a atenuação dos sintomas decorrentes da formação tumoral, através do reequilíbrio da energia vital do doente, podendo ou não levar a cura parcial ou completa, ou apenas ao controle do paciente. Nos casos incuráveis atua sobre a dor, o desconforto e o ânimo do indivíduo, levando a uma morte tranqüila como o apagar de uma vela.

CAUSAS PROVÁVEIS DAS NEOPLASIAS

Nem sempre há uma causa única e sim uma associação de fatores que encontra um terreno fértil para o desenvolvimento do CÂNCER. Muitas causas são ainda desconhecidas mas muitas já foram determinadas.
O termo CARCINÓGENOS é utilizado para referir-se à substâncias que podem causar ou favorecer o CÂNCER.

Fatores Físicos :

- RX
- Radiação ultra violeta
- Queimaduras

Fatores Químicos:
“Os carcinógenos químicos são ingeridos, geralmente, através dos alimentos. As rações preparadas para os animais possuem flavorizantes, antioxidantes e outras substâncias conservantes que podem ser tóxicas e funcionar como carcinógenos. Estas substâncias oncogênicas devem ser reconhecidas e eliminadas das fontes alimentares. Tanto o homem quanto os animais estão sujeitos à ingestão de contaminantes químicos nos alimentos. As micotoxinas, os fungicidas e herbicidas também devem ser observados pois podem ser potencializadores de fatores oncogênicos” (Parreira,I.M.; Keglevich,E.As Neoplasias em Cães. Instituto Biosfera).
- poluição, fumo (os pets são hoje fumantes passivos) e fuligem
- aminas aromáticas utilizadas como corantes alimentares (RAÇÕES COLORIDÍSSIMAS!!!!)
- Nitrosaminas presentes nos defumados
-Antineoplásicos de uso medicinal como busulfan e melfelan
- Aflatoxinas presentes em grãos e cereais – principal matéria primabase da alimentação dos pets em RAÇÔES COMERCIAIS!!!!
-CONSERVANTES como etoxiquina, butilhidroxianisol (BHA) e butilhidroxitoluno (BHT), todos sabidamente carcinógenos e proibidos na alimentação humana!!!!!!


Fatores Traumáticos:
Osteosarcomas de cães de grande porte. O trauma pode ter ocorrido anos atrás sem sintomatologia clínica ou com claudicação (mancadura) leve que logo desapareceu.

Fatores Farmacológicos:
- Anabolizantes ( agem no fígado) – tem bad boy e bad vet que aplicam!
- Quimioterápicos ( medula óssea e bexiga principalmente) por exemplo o ONCOVIN tão utilizado em tumor venéreo de cães.
-Imunossupressores ( linfoma e pele) – por exemplo o uso abusivo de corticóides nas tão comuns dermatopatias.

Fatores Alimentares:
- excessos de gordura (mama, cólon e pâncreas)

- ingesta calórica elevada (mama, endométrio, próstata, cólon, vesícula biliar, pâncreas)
- dieta pobre em fibras (cólon)

Fatores biológicos:
- Causas genéticas hereditárias
- Doenças pré-existentes

Fatores Hormonais:
- Uso de progestágenos injetáveis (anticoncepcionais X tumores de mama)
- Tumor de Leidig em cães machos

Fatores Inflamatórios:
- Desequilíbrio da relação entre radicais livres e agentes antioxidantes

-Processos inflamatórios crônicos que levam ao aumento da irrigação do tecido lesado, levando a neocarcingênese (surgimento de novo tumor).
- Radicais livres também são responsáveis por mutações que podem ser responsáveis pela gênese do tumor.

Fatores Psíquicos :
- Estresse
- Ausência de Bem Estar de forma crônica e continuada
- Transtornos por perdas, sustos, medo, raiva…Emoções muito fortes!

ALGUNS TIPOS DE CÂNCER MAIS COMUNS NOS NOSSOS PETS

- NEOPLASIAS CUTÂNEAS: O exame citológico é indispensável na tomada de decisão quanto ao tratamento cirúrgico. As hiperplasias e adenomas das glândulas sebáceas, os lipomas, mastocitomas e os papilomas são as neoplasias cutâneas mais comuns nos cães. Outras neoplasias cutâneas: tricoepiteliomas, pilomatricomas, tumores de glândulas sudoríparas, de glândula peri-anal, carcinomas epidermóides, fibromas e fibrosarcomas.

-NEOPLASIAS ORAIS: São cada vez mais comuns e na maioria das vezes malignos. Causam mau-hálito, salivação intensa e dificuldade em comer. Sangramentos orais e inchaços são achados comuns. Maiores incidências destas neoplasias são encontradas em animais com mais de 8 anos de idade.

-NEOPLASIAS GASTROINTESTINAIS: Linfosarcoma alimentar, linfoma e adenocarcinoma são os mais encontrados. Também podemos encontrar linfomas gástricos e adenomas de reto, cólon e gástrico, mas são as formas mais raras em cães.

-NEOPLASIAS HEPÁTICAS: podem surgir à partir de muitos órgãos (pâncreas, adrenais, pulmões e mamas). A metástase decorrente destes tumores, envolvem normalmente peritônio, linfonodos e pulmões.

-NEOPLASIAS OCULARES: 90 % delas são malignas.

-NEOPLASIAS MAMÁRIAS: A prevalência dêste câncer em cadelas é 3 vezes maior do que em mulheres. Correspondem a 50% de todos os tumores da cadela e 45% dos tumores de mama são malignos. Dados de trabalhos científicos (RADOSTIS,2002) afirmam que:
1 – Os tumores mamários são mais comuns em fêmeas inteiras ou naquelas castradas depois dos 2 anos de idade. Fêmeas castradas antes do primeiro cio tem incidência baixíssima.

2 – A média etária na época do diagnóstico é de 10 anos.
3 – Machos podem ser acometidos.
4 – 50% de todos os tumores mamários são benignos.
5 – Pode haver a combinação de massas benignas e malignas no mesmo animal, daí estar indicada a palpação de todo o tecido mamário e adjacente se for palpado um nódulo.
6 – A maioria dos tumores mamários caninos ocorre nas glândulas 4 e 5.
7 – 40% dos tumores acometem as glândulas inguinais.

Podem ser carcinomas, sarcomas, carcinossarcomas ou adenomas benignos.
As técnicas cirúrgicas utilizadas na excisão de tumores mamários variam conforme a extensão, a invasibilidade, malignidade, encapsulamento, número de glândulas afetadas e características celulares. Por isso é importante procurar um profissional capacitado para efetuar as avaliações e exames iniciais, assim como o procedimento cirúrgico mais adequado a cada caso.

-NEOPLASIAS GENITAIS: O tumor venéreo transmissível ou TVT ou Tumor de Sticker. Ocorrem na genitália masculina e feminina e também em boca e focinho devido a lambeduras e olfação.

Na próxima postagem falaremos sobre a alimentação do paciente com câncer.
Até lá!KNLI5ku6ddA?utm_source=feedburner&utm_medium=email

Fonte Blog Bicho Integral

Conheça os 10 Mandamentos de Cães & Gatos

1 – Minha vida deve durar entre 10 a 15 anos. Qualquer separação de você será muito dolorosa para mim.

2 – Dê-me algum tempo para entender o que você quer de mim.

3 – Tenha confiança em mim.

4 – Não fique zangado comigo por muito tempo e não me prenda em algum lugar por punição. Você tem seu trabalho, seu amigos. Eu só tenho você.

5 – Fale comigo de vez em quando mesmo que eu não entenda suas palavras. Compreendo muito bem sua voz e sinto o que você está me dizendo.

6 – Esteja certo de que, seja como for que você me trate, isso ficará gravado para sempre em mim.

7 – Antes de me bater, lembre sempre que eu tenho dentes que podem feri-lo seriamente, mas eu nunca os usaria contra você.

8 – Antes de me censurar por estar preguiçoso ou teimoso, veja se não tem algo me incomodando. Talvez você não esteja me alimentando bem. Talvez eu esteja doente. Ou é apenas meu coração que está ficando velho e cansado.

9 – Cuide bem de mim quando eu ficar velho. Você também vai ficar.

10 – Não se afaste de mim nos meus momentos difíceis ou dolorosos. Nunca diga: "prefiro não ver" ou "faça quando eu não estiver presente". Tudo é mais fácil com você a meu lado.
(Monica Buonfiglio)

CACHORRO COM APENAS DUAS PERNAS VISITA A PRAIA PELA PRIMEIRA VEZ E NÃO PARA DE CORRER

emocionem-se.

31 MARÇO 2014.

O boxer Duncan Lou Who nasceu com uma deformação nas pernas traseiras, que precisaram ser completamente amputadas. Desde então, o cachorro tem sido uma inspiração para seus tutores.

Sem conseguir se acostumar à cadeira de rodas especial, o animal prefere viver a vida sobre apenas duas patas. Em sua primeira visita à praia, em Vancouver, no Canadá, na última semana, ele fica extasiado de emoção e não consegue parar de correr e brincar.

“Usamos a câmera lenta nesse vídeo, mas NENHUMA imagem foi acelerada. Isso dá uma ideia do quão rápido Duncan realmente é”, diz a descrição do vídeo. É lindo ver o bichinho se equilibrando para correr e brincando no mar!

O cachorro foi à praia acompanhado dos boxers Rou, Ducky and Miso. A organização sem fins lucrativos, Panda Paws Rescue, cuida desses e outros animais.

Fonte:

http://links.causes.com/s/clQRR8?r=JwM

Vídeo:

Animais dão exemplos aos homens

Enquanto um pai mata seu filho criança por preconceito ou fanatismo religioso, os animais nos ensinam de como cuidar da prole

CADELA CRUZA CIDADE DO INTERIOR DE SP COM CARNE NA BOCA PARA DAR A FILHOTES

“Menina”, nome que o comerciante João Teodoro deu para a cachorrinha, que aparecia há um mês, todos os dias, na mercearia onde ele trabalha. O comerciante, que é dono do mercado, passou a oferecer carne, pelo menos três vezes ao dia. “Ela ficava louca com tanta comida. Dava impressão que estava com muita fome”,
diz. Mas ele começou a perceber algo diferente no comportamento da cadela. Depois de comer, ela enchia a boca de carne e ia embora. Ele desconfiou e foi sondar o que acontecia.

Juntos, eles atravessaram a cidade e cruzaram até uma rodovia, em um trajeto que levou meia hora. A caminhada de quase dois quilômetros o levou a descobrir que no local estavam os filhotes, que ela alimentava com a carne que conseguia.
Em um esconderijo improvisado, no meio de um barranco de 4 metros, a mãe protegia a ninhada, que não conseguia sair do local. Para chegar até os cachorrinhos, João precisou chamar o Corpo de Bombeiros. “O resgate foi complicado. Os bombeiros desceram o barranco e com medo, os filhotes se calaram. Sem barulho, foi difícil encontrá-los. Só quando eles começaram a chorar conseguimos localizá-los”, diz Marta Félix, protetora de animais e que acompanhou o resgate.

Vice-presidente de uma ONG protetora de animais, Roseli Gutierrez já conhecia a história da cadela. “Essa cachorrinha apareceu no centro da cidade prestes a dar à luz, mas antes de a gente conseguir fazer alguma coisa, ela sumiu”, afirma Roseli. Comovida, ela levou “Menina” e os filhotes para casa dela. “Essa é uma história que teve um final feliz, mas não é isso que acontece com a maioria dos animais abandonados, que morrem queimados nos canaviais ou atropelados”, afirma. Tanto a cadela quanto os sete filhotes passam bem e serão doados depois que desmamarem.

Fonte: RPA

Post sobre Osteosarcoma

Amigos:

Ano passado fizemos um post sobre Osteosarcoma, cancer que ataca os ossos de animais de grande porte, temos recebido muitos emails que, graças ao post, tem evitado a eutanásia precoce dos animais, e tratamentos homeopáticos que evitam a eutanásia e que dão um final de vida excelente aos animais.

gostaríamos de dividir o post e pedir aos amigos que repassem as pessoas o máximo possível, já que há pouco ajuda na net a respeito desse assunto.

Links dos posts

http://irmaosanimais-conscienciahumana.blogspot.com.br/2013/10/osteosarcomahomeopatia-o-que-e-e-como.html

http://irmaosanimais-conscienciahumana.blogspot.com.br/2013/10/osteosarcoma-x-homeopatia-x-eutanasia.html

abraços

Simone

Cães nas ruas: um problema social a ser repensado

A chegada de um cãozinho de estimação numa casa geralmente é motivo de alegria. Recebidos com festa, em alguma data comemorativa ou como agrado a um ente querido, eles logo ganham um nome e recebem atenções regadas de carinhos. Mas, com o passar do tempo, aquele lindo filhotinho aumenta de tamanho, ganha alguns quilos, fica mais forte e deixa de ser novidade. Suas brincadeiras já não são mais encaradas com bom humor, suas características começam a incomodar e nem mesmo suas orelhas empinadas conseguem evitar os xingos. É assim que muitas histórias de abandono têm início.

O número de animais deixados nas ruas todos os anos é grande. Só em 2010, 690 bichinhos foram colocados à doação, pelo Centro de Controle de Zoonoses de Itu.

“Enquanto é pequenino, o cão é bonitinho. Depois que cresce e começa a dar problemas, as pessoas os abandonam”, afirma o coordenador do Centro de Controle de Zoonoses de Itu, Dr. Sérgio Castanheira de Souza.

A de casa também é um motivo que leva muitos donos a deixarem seus cães sem lar, mas segundo Castanheira não justifica a ação. “O cão é fiel e não abandonaria o seu dono. Já o dono o abandona como se fosse um objeto.”

Deixados sozinhos nas ruas ou largados em frente ao portão da casa, os animais chegam a esperar pela volta do proprietário. “Eu já vi casos de cachorros ficarem andando pela rua do antigo lar e também correrem atrás do carro, após terem sido deixados numa rua qualquer”, conta Castanheira. No entanto, a esperança desses animais raramente se confirma.

Abandonar é crime!
Presenciar agressões e abandonos a animais pode não ser comum para a maioria da população, porém casos assim acontecem todos os dias. “Os abandonos ocorrem tanto em cidades grandes, como no interior e durante todo o ano”, explica Castanheira. Mas o que nem todos sabem é que esses atos são considerados crimes e por Lei podem levar à prisão do dono.

Garantir esse direito também depende de você! A denúncia de negligência ou abuso é muito importante e ajuda a evitar histórias tristes.

Ao observar maus tratos a qualquer animal, a população deve entrar em contato com a Polícia Militar pelo telefone de emergência 190. Para facilitar a ação da polícia, a pessoa deve informar detalhes que sejam essenciais ao caso, como características e localização do autor e do animal, bem como testemunhas e se possível, fotos ou filmagens da agressão, que ajudariam na identificação e punição do agressor. “Para tanto, caso queira, não será necessário se identificar”, afirma o Capitão PM Chefe da Seção de Relações Públicas e de Recursos Humanos do 50º Batalhão de Polícia Militar do Interior.

Segundo o Capitão, apesar de não ser em grande número, não é raro o acionamento da PM para atendimento desse tipo de ocorrência. Nesses casos, para o auxílio dos animais o Centro de Controle de Zoonoses de Itu é acionado.

A Zoonoses também recebe diretamente as denúncias de maus tratos pelo telefone (11) 4013-1401 ou 4023-1505. Após a ligação, uma equipe do Centro realiza o trabalho de averiguação do caso e se confirmado, abre um Boletim de Ocorrência na PM para que o agressor do animal seja indiciado pelo crime de maus tratos.

O cão da comunidade
Ver os mesmos cães, todos os dias, circulando pelo bairro onde mora já é comum para muitos moradores. Esses amigos tanto aparecem que acabam cativando a população local. Com um agrado de uma casa aqui e outro de um comerciante ali, o cão passa a conseguir alimento e proteção mais fácil. Sentindo-se “aceitos”, os cachorros decidem fincar as patas naquele lugar e proteger seus novos donos. Assim, surgem os “cães de comunidade”.

Para evitar que fiquem doentes ou transmitam doenças para a população, esses cães recebem tratamentos de prevenção, como castração e vacinas, e depois são devolvidos a comunidade para que continuem no local. Dessa forma, eles deixam de ter apenas um responsável, para ser cuidado por todos.

A medida é vista como benéfica aos animais e política adotada pela Secretaria de Saúde de São Paulo. “É preferível deixar aquele animal castrado e vermifugado, que irá seguir sua vida ali sem incomodar ninguém, do que deixar esse espaço para que surjam outros cães”, explica Castanheira.

Em Itu, os exemplos são muitos. Como no caso do cão Cafú, um vira-lata que vive nas imediações de uma padaria no bairro Vila Padre Bento. “Ele surgiu na Copa do Mundo de 1994 e já possuía uma aparência de velho. E assim como o jogador de futebol Cafú, que se aposentaria naquele ano, eu achei que ele estaria em fim de carreira! Mas ele está aqui até hoje”, brinca o comerciante Valdir Guidini, um dos responsáveis por dar alimento e carinho ao animal.

Segundo Valdir, os clientes da padaria já se acostumaram com a presença do cão, que ganhou até uma foto na parede do comércio. O proprietário ainda conta que Cafú recebe muita atenção e gosta disso. “Hoje ele já ganhou um lar”, afirma.

Para a segurança da população local, o Dr. Castanheira explica que o bichinho já passou por cuidados da Zoonoses e sempre que preciso, recebe as vacinas necessárias.

Após anos de atenção, Cafú já se tornou parte da comunidade do bairro. Mas histórias de abandono como a sua não param de aumentar. “Eu vejo muitos casos de negligências. É triste ver os cães sendo abandonados, mas não podemos cuidar de todos”, conta Valdir.

Quando um focinho se encontra com um coração!

“Eu estava saindo do serviço quando vi o cãozinho no meio da rua. Ele estava bem assustado, corria de um lado para outro e estava com medo de tudo. Foi então que mexi com ele e ele me acompanhou por uma boa parte do caminho, me olhava e parecia que pedia para levá-lo comigo”, narra a assistente fiscal Luciane Gagliardi.

Chegando a sua casa, Luciane não esqueceu o animalzinho e após conversar com seu marido resolveu abrir seu coração e as portas da casa para um novo companheiro.

“Resolvemos retornar ao local onde o encontrei. Ele ainda estava lá e rapidamente veio em nossa direção como se já soubesse que o levaríamos para casa”, conta.

Em sua nova família, o cãozinho ganhou o nome de Scooby “por ser muito medroso, comilão e também muito amável”, explica Luciane. Segundo ela, a experiência de pegar um cão abandonado é gratificante. “A todo momento ele parece nos agradecer de o ter salvo dos perigos da rua”.

Scooby entrou para a estatística de cães de rua adotados. Porém nem todos têm tempo de ganhar uma nova família. Ao serem deixados sozinhos, muitos cães ficam agitados e saem transitando pelas ruas. Sem conhecer os perigos, eles acabam sendo atropelados e mortos. “Ao avistar o corpo de um animal a pessoa pode ligar para o Centro de Zoonoses da cidade, pois é nosso trabalho fazer o recolhimento desse corpo das ruas ou mesmo das casas”, conta Castanheira.

Mas, se andando pelas ruas de sua cidade, você avistar um cão que mexa com o seu coração… Pare! E se puder lhe dar o mínimo de atenção, com certeza ele ganhará o dia. Agora, se você puder fazer mais, ADOTE um animal de rua e descubra o quão feliz pode ser essa relação.

Via | Imagem: Ilustração/Divulgação

http://blogs.jovempan.uol.com.br/

Blog no WordPress.com. O tema Adventure Journal.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 200 outros seguidores